Impureza

2009

A discussão sobre o avanço do “progresso” sobre a natureza é tema crucial para a continuidade da vida no planeta. Todos os dias vemos notícias sobre resultados nefastos da poluição, sobre a difuculdade de aprovação de planos de contenção da destruição causada por indústrias e suas emissões de gases e dejetos.

 

Com Impureza pretendo lançar um olhar às mudanças por que passa hoje o homem do interior, que ainda não está tão transformado quando o ser-urbano. Pretendo investigar a transformação dos hábitos e do ambiente, da arquitetura, a profusão de cores dos novos tecidos, das imagens televisivas e impressas pela publicidade, a substituição do modelo tradicional de vida pelas novidades apresentadas pelo marketing industrial e seus materiais mais baratos, dinâmicos e descartáveis, que passam a povoar os desejos e a habitar a paisagem.

 

Ao mostrar, através de fotografias, o impacto gerado pela ocupação humana em ambientes onde ela não é tão óbvia, tão dominante como nos grandes centros, pretendo levar o espectador a refletir sobre este impacto, adotar uma postura conservacionista, ainda que tardia.

 

Impureza, ainda que tenha sido realizada somente no Brasil, conecta as zonas rurais de todo o mundo, pois a globalização irrefutável por que passamos na contemporaneidade deixa marcas de sua presença em todo o território povoado.

Fotografias realizadas com película diapositiva de 6x6 cm

Impressão por pigmentos minerais sobre papel de algodão 305 g

dimensões variadas: 100 x100 cm, 150x150 cm, 30x45 cm (x24)

Edição de 5